Fonte: AP

Via: Paulopes Weblog

……………………………………………………………………….

Daniel Hauser (foto), norte-americano de 13 anos, sofre de um tumor cancerígeno que cresce rapidamente, mas ele poderá morrer mesmo em consequência do fanatismo religioso de sua família, principalmente de sua mãe.

O garoto está com o linfoma Hodgkin, um câncer com elevado índice de cura, desde que o paciente se submeta à quimioterapia. Mas a sua mãe tem evitado esse tratamento porque diz estar curando-o com remédios alternativos prescritos pela sua crença religiosa. 

Colleen, a mãe do garoto, e Anthony, o pai, se dizem católicos, mas, quanto à medicina, seguem a orientação do grupo religioso Nemenhad Band, que apregoa o uso de ervas medicinais dos índios americanos.

Eles estão cuidando do garoto com uma mistura de ervas com vitaminas e água ionizada, acompanhada de orações.

Um juiz de Minnesota colocou o menino sob custódia de pais adotivos de modo que ele possa ser examinado por um oncologista. Mas a mãe sumiu com Daniel, que em fevereiro recebeu uma única aplicação de quimioterapia.

A polícia procura pelos dois para cuidar do menino e prender a mãe..

O juiz observou que o menino não faz ideia da gravidade de sua doença e que ele acredita que ficará bom com as ervas.

Philip Cloudpiler Landis foi quem criou o grupo Nemenhah nos anos 90. Ele afirma ter sido curado de um câncer similar ao de Daniel com o uso de ervas. Landis chegou a ficar quatro meses preso por fraude medicamentosa.

No Brasil, ao final de 2008, uma Testemunha de Jeová tirou o seu filho, o Joaquim Raimundo Neto, de um hospital de Goiânia (GO) para ele não ser submetido à transfusão de sangue. O rapaz sofria de leucemia mieloida aguda, e os médicos ia tentar salvá-lo.

A família do rapaz disse que a mãe tinha levado-o a São Paulo para um tratamento alternativo sobre o qual ninguém sabia que existisse.

Dias depois, Joaquim, aos 23 anos, morreu.

……………………………………………………..

UPDATE:

O famosíssimo blogueiro Cardoso, do blog Contraditorium, fez um post sarcastico sobre o assunto. É interessante ver as reações ao que o Cardoso escreveu, muita gente não entendeu o sarcasmo.

Anúncios