arcebispo Stepinac (dir.) e Ustashas

arcebispo Stepinac (dir.) e Ustashas

Advogados dos EUA, representando sobreviventes e parentes de vítimas do regime Ustasha, estão tentando processar, sem sucesso, o Banco do Vaticano por receptação e lavagem de dinheiro. O Banco receptou e lavou o dinheiro roubado pelos fugitivos do regime nazi-católico da Croácia (Ustasha) no final da 2GM, além de ajudar os Ustashas( Ante Pavelic, Dinko Sakic, Andrija Artukovic etc.) a fugirem para América do Sul, EUA etc. através das Ratlines.

O regime Ustasha – Estado “Independente” da Croácia (NDH, em croata Nezavisna Država Hrvatska) nasceu em 1941 graças à invasão nazi-fascista na Iugoslávia durante a 2GM. O Vaticano apoiou o regime de Ante Pavelic porque desejava um poderio católico nos Balcans. O NDH (mistura de nazismo com inquisição católica) exterminou cerca de 1.000.000 de  sérvios (cristãos ortodoxos), 60.000 judeus, 30.000 ciganos e milhares de opositores.

A cumplicidade da Igreja Católica com este regime sanguinário foi intensa, a ponto de padres liderarem conversões forçadas de sérvios, massacres e campos de extermínio (Jasenovac, por exemplo). A crueldade Ustasha era tão grotesca que chocava até mesmo os alemães e italianos, que tiveram que colocar um freio na Ustasha. O chefe religioso do NDH, cardeal Stepinac, foi beatificado pelo papa JP2 em 1998.

O assunto Ustasha é um grande tabu na grande mídia nacional e internacional, graças ao lobby da igreja católica. O “El País” da Espanha chegou a relatar em 1986 o atrito entre a imprensa oficial e a católica porque se discutia se o clero romano estava envolvido ou não com os crimes de Andrija Artukovic (ministro do NDH).

O Vaticano, após a queda do NDH, jamais admitiu qualquer responsabilidade, nem mesmo parcial, pelas atrocidades cometidas, nem mesmo um pedido de perdão. Em verdade, quando acusado, ele sempre negou qualquer conexão com o regime croata. Quando solicitado a expressar o seu repúdio pelos crimes cometidos pela Ustasha , prefere ficar em silêncio (um silêncio cúmplice). Nem mesmo o site oficial do Vaticano possui um texto repudiando as barbaridades do NDH. O papa JP2 nunca aceitou visitar Jasenovac, atitude compartilhada pelo atual papa B16.

Anúncios